Medicamento 3D poderá ser feito na casa do doente

1calor1

Estados Unidos aprovaram remédio para tratar epilepsia feito pelo método

Em um futuro próximo será possível fabricar os próprios remédios em casa. É essa a intenção das empresas de impressoras 3D, tecnologia utilizada em diversas áreas e que chega com cada vez mais força na Medicina. O governo dos Estados Unidos aprovou nessa semana, pela primeira vez, um remédio feito a partir do método, para tratar a epilepsia.

A principal vantagem é que o mecanismo permite produzir a quantidade exata do medicamento. Ou seja, cada paciente poderia fazer, na sua própria casa, um remédio sob medida.

Como outros medicamentos para a epilepsia, o Spritam é um comprimido que se dissolve na boca ao ser tomado com um líquido. Nesse caso, no entanto, o processo é mais rápido, o que é benéfico para pacientes com dificuldades de ingerir comprimidos grandes. A responsável é a farmacêutica Aprecia, que pretende lançar comercialmente o produto no primeiro trimestre de 2016.

As impressoras 3D foram criadas ainda na década de 1980, mas se popularizaram nos últimos ao se tornarem menores – possibilitando a compra de máquinas pessoas – e mais baratas.

“Ela trabalha com acúmulos de materiais, fazendo camada por camada”, explica Luiz Fernando Dompieri, diretor geral da 3D Systems Latin America, uma das empresas que vende o produto no Brasil. O plástico é a matéria-prima mais usada, mas também podem ser utilizados pó de gesso e resina líquida, entre outros.
Dessa forma, é possível construir desde capas de celulares até peças de avião, dependendo do tamanho e da precisão da máquina.

Na produção de remédios, Luiz Fernando vê um avanço. “A grande sacada é você conseguir personalizar o produto”, elogia. Ele não vê riscos na produção ‘caseira’ dos medicamentos. “Você precisa ter acesso à matéria-prima. Acredito que isso vai ser regularizado”, avalia.

O neurologista André Gustavo Lima, membro da Academia Brasileira de Neurologia, ressalta que é preciso conhecer o Spritam para comentar sua eficácia. Ele afirma, no entanto, que a absorção mais rápida pode ser uma vantagem, dependendo da necessidade do paciente.

“Temos uma variedade grande de remédios”, explica André. A aplicação e a duração do tratamento dependem do tipo da doença. Além disso, existe a opção de realizar uma cirurgia. Os dois métodos podem curar o problema.

A técnica de impressão em 3D é usada em procedimentos de saúde em todo o mundo. Entre outros casos, uma holandesa de 83 anos recebeu um transplante de mandíbula e, um americano teve 75% do crânio substituídos por uma prótese.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s