Transplante de ilhotas pancreáticas

pancreas

MUHC (McGill University Health Centre) realizou o primeiro transplante de células de ilhotas pancreáticas no Canadá

Uma universidade localizada em Quebec no Canadá, realizou o primeiro transplante de ilhotas pancreáticas da região. A descoberta realizada, foi feita após o complexo processo de isolamento de células da ilhotas pancreáticas de doadores. O procedimento, não necessita de cirurgia. Isso é um avanço significativo no tratamento de diabetes do tipo 1 e marca o primeiro passo em que os investigadores esperam ser o desenvolvimento de um novo tratamento.

Para alguns pacientes, o transplante de pâncreas é uma opção, mas existem riscos significativos. A cirurgia muitas das vezes envolve o atendimento especializado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e uma internação hospitalar que pode durar até um mês”, disse o Dr. Steven Paraskevas , diretor do Programa de Transplante de ilhotas pancreáticas do MUHC. A infusão de ilhotas – agrupamentos de células pancreáticas que produzem insulina – é uma técnica não-cirúrgica que está sendo explorada em alguns centros médicos universitários, como uma alternativa ao transplante de pâncreas.

Como o procedimento é minimamente invasivo, que representa uma melhora incrível para os pacientes, bem como para a área médica, que através deste procedimento reduz o risco de infecções e internações”, diz Dr. Paraskevas, professor adjunto da cirurgia na McGill.

Para a paciente, Zohra Nabbus, a vida com diabetes tipo 1 tornou-se cada vez mais desafiadora. Após o transplante renal e de pâncreas, ela estava sofrendo episódios mais frequentes de hipoglicemia. “Eu havia chegado ao ponto onde eu não conseguia ficar mais sozinha, então quando eu ouvi que o transplante de células de ilhotas havia sido desenvolvido no MUHC, não havia nenhuma dúvida em minha mente que eu queria ser uma candidata”, disse ela.

O processo começou em maio, onde as células das ilhotas foram separadas a partir de um doador – um processo delicado, que exigiu anos de investimento em tecnologia e perícia médica. Dois dias mais tarde, as ilhotas isoladas foram implantadas no pâncreas do paciente através de um pequeno cateter, no abdómen, sem a necessidade de cirurgia. Todo o procedimento foi realizado na sala de radiologia da MUHC.

Uma vez que as células foram implantadas no pâncreas, nós monitoramos o paciente e aguardamos”, diz Dr. Benoit Gallix , Diretor de Radiologia da MUHC e Presidente do Departamento de Diagnóstico Radiologia da Universidade McGill, que conduziu o procedimento com a Dra. Tatiana Cabrera , que também é professora assistente na McGill. “Dentro de poucos dias, o paciente começou a produzir insulina por conta própria e após várias semanas ela estava completamente livre do uso de insulinas – todo o processo não poderia ter sido melhor.”

A vida mudou rapidamente para Zohra Nabbus. “Depois de viver com diabetes tipo 1 por 35 anos, é difícil sair do hábito de planejar suas refeições, monitorando o açúcar no sangue e aplicar a sua insulina, mas finalmente eu posso!”, disse ela. “Eu tenho mais liberdade e flexibilidade para viver a minha vida e eu me sinto muito mais segura.”

O MUHC tem desenvolvido os conhecimentos necessários para realizar esse procedimento durante a última década e é o único centro no leste do Canadá capaz de isolar e transplantar células de ilhotas pancreáticas.

O processo já é reconhecido como tratamento para a diabetes no Reino Unido e na Europa. Há cerca de três milhões de pessoas que sofrem com diabetes no Canadá, sendo cerca de 300 mil com diabetes tipo 1.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s