Nova técnica extrai ouro de lixo eletrônico

thinkstockphotos-483215696

Método desenvolvido por estudantes mineiros é mais seguro e rápido do que opções tradicionais. Geração de e-lixo pode chegar a 50 milhões de toneladas em 2018, segundo ONU

Pense bem antes de se desfazer daquele seu computador ou celular velho. Dois estudantes de engenharia química de uma faculdade mineira desenvolveram uma nova forma de recuperar ouro e cobre presentes no lixo eletrônico. A proposta, recentemente premiada, se destaca por ser mais rápida e segura que as opções tradicionais. Filipe de Almeida, 25, conta que a ideia surgiu após ver, em um programa de televisão, que o lixo eletrônico produzido no Brasil não costuma ser reaproveitado – ou é descartado na natureza, o que traz riscos ambientais, ou é vendido por preços baixos para países como a Alemanha, onde já existe uma indústria preparada para esse trabalho.

Segundo a ONU, o mundo produziu 42 milhões de toneladas de lixo eletrônico em 2014 – e pode chegar a 50 milhões de toneladas em 2018. Segundo relatório produzido pela organização, de 60% a 90% desses resíduos são descartados ou comercializados ilegalmente – o preço da tonelada gira em torno de US$ 500, segundo a Interpol. A notícia trouxe um insight para ele e Lúrima Uane Soares Faria, 20, sua colega na Unileste (Centro Universitário do Leste de Minas Gerais). “Pensamos: ‘Se não existem empresas devidamente capacitadas para isso no nosso país, podemos tentar desenvolver um processo industrial para esse tratamento!’”, lembra o estudante.

Ouro, cobre, prata, zinco, estanho e platina são alguns dos metais presentes em grande parte dos equipamentos eletrônicos. Tome-se como exemplo uma placa de circuito impresso (componente de computadores, controles remotos, smartphones etc.). Estima-se que quase um terço de sua composição seja de metais. Destes, o mais comum é o cobre (14%), seguido por ferro (6%), níquel (2%), zinco (2%), estanho (2%), prata (0,3%), ouro (0,04%) e platina (0,02%). O problema é que eles nem sempre aparecem em sua forma pura, mas sim formando uma liga, o que dificulta a extração direta.

Como extrair ouro do lixo

Para recuperar esses metais, há, basicamente, dois caminhos. Um é a pirometalurgia, que consiste em incinerar o lixo eletrônico (incluindo peças de plástico etc.) e, depois, separar os metais por ponto de fusão (o zinco, por exemplo, derrete a 419,5ºC, enquanto a prata, a 961,8ºC). Trata-se do método mais barato, porém, o processo de incineração gera muitos gases tóxicos e os metais recuperados dessa forma têm baixo teor de pureza. O segundo caminho é o da hidrometalurgia – termo adotado para designar processos diferentes que têm, em comum, a meta de dissolver o metal por meio de reações químicas, separando-o de outras substâncias. Uma vantagem é o alto teor de pureza obtido. No caso do ouro, porém, o procedimento costuma incluir cianeto de potássio – substância altamente tóxica, que pode levar à morte mesmo em baixas quantidades. “Trabalhamos com ouro sem utilizar cianeto. Com isso, reduzimos a toxicidade em cerca de 90%”, afirma Almeida. A abordagem também é mais rápida, reduzindo o tempo de lixiviação do metal de uma semana para duas horas.

A meta dos estudantes, agora, é descobrir novas formas de extrair do lixo eletrônico metais como prata, chumbo, estanho, platina e níquel. Além disso, querem levar o procedimento do ambiente laboratorial para uma escala maior e, assim, avaliar se o método seria economicamente viável. Para seguir com os planos, contam com bolsas da Fapemig (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais) e uma verba de R$ 10 mil, proveniente do prêmio Sustentabilidade Radix, que contemplou cinco projetos de centros de ensino e/ou pesquisa no fim do ano passado.

Em relação ao potencial econômico, pode soar restrito quando lembramos que na placa de circuito impresso, citada acima, o ouro corresponde a apenas 0,04% dos metais utilizados. Mas Almeida compara esse tipo de processo ao que é feito normalmente pelas mineradoras, ao extrair metais de rochas. “Se você comparar uma tonelada de lixo eletrônico com uma tonelada de terra, vai encontrar muito mais ouro e minério de cobre no lixo do que na terra”, afirma o estudante. Segundo ele, uma tonelada de lixo eletrônico pode conter, em média, cerca de 700g de ouro e 35kg de cobre.

Além disso, está em jogo a preocupação com o meio ambiente. Quando equipamentos eletrônicos são descartados de maneira inadequada, substâncias perigosas, como metais pesados, podem contaminar o entorno. Tome-se como exemplo o mercúrio, também presente no e-lixo: se ele chegar às águas de um rio, passará para os peixes e, depois, para quem consumir esses peixes. A substância pode gerar problemas neurológicos em humanos e afetar o desenvolvimento cerebral de fetos. Algumas cidades contam com serviços específicos de coleta de lixo eletrônico. Em São Paulo, por exemplo, algumas opções são o CEDIR (Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática), da USP, e o Ecobraz, que coleta e-lixo gratuitamente, até cinco dias após o agendamento.

Singapura quer levantar prédios usando impressão 3D

Singapura está investindo 150 milhões de dólares em um centro de pesquisa para construção usando impressoras 3D. O laboratório de pesquisas fica na Universidade de Tecnologia de Nanyang, na cidade-estado.

Com o investimento, a escola pretende criar novas impressoras para que seja possível construir blocos que seriam usados para levantar prédios. A ideia é que, com o tempo, construir um prédio seja uma ação parecida com levantar uma torre de peças de Lego.

Os blocos permitiriam um transporte mais simples de materiais para a construção civil.

“A área de moradias tem grandes desafios”, disse o diretor do laboratório, Chua Chee Kai, ao site 3DPrint. “Não existe nenhum tipo de concreto ‘imprimível’ disponível ainda. Teremos que desenvolver tudo desde o início.”

Alguns testes iniciais estão analisando como a técnica poderá ser usada. O novo dormitório da escola foi construído usando blocos. As peças, no entanto, não foram impressas, mas construídas tradicionalmente. Mesmo assim, o experimento serve para dar algumas direções aos cientistas.

A impressão 3D tem sido usada de forma experimental em diversos campos. A Adidas, por exemplo, foi capaz de imprimir um par de tênis usando como material fonte lixo marítimo. Cientistas têm usado a técnica para impressão de órgãos.

Outros experimentos com construção civil também já foram realizados. A Holanda, por exemplo, quer levantar pontes usando impressão 3D.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s