Arqueólogo afirma ter encontrado provas de que hebreus criaram o primeiro alfabeto escrito

1200px-sidney_hall_-_uranias_mirror_-_taurus_poniatowski_serpentarius_scutum_sobiesky_and_serpens-470x370

O arqueólogo Douglas Petrovich da Universidade Wilfrid-Laurier de Ontário, no Canadá, afirmou que encontrou provas de que o hebraico é o alfabeto mais antigo do mundo, o que gerou controvérsias e intrigou membros da comunidade acadêmica.

Petrovich disse ter reais indícios de que os israelitas que viveram no Egito há mais de 3.800 anos transformaram 22 hieróglifos – que são sinais gráficos de antigas civilizações – em um alfabeto hebraico.

Mas, essa tese não foi totalmente aceita, e nem todos os historiadores e especialistas ficaram satisfeitos. A maioria dos especialistas acredita que o alfabeto semítico seja o mais antigo. O alfabeto semítico é um ramo da família camito-semítica de línguas, que abrange desde o noroeste da África ao sudeste da Ásia, incluindo os idiomas aramaico, assírio, árabe, dentre outros.

O arqueólogo acredita que tal adaptação e transformação dos hieróglifos no Egito antigo foi uma tentativa dos israelitas de criar suas próprias expressões escritas. Petrovich, que está trabalhando em sua pesquisa desde 2012, começou traduzindo escritos do Egito feitos em pedaços de pedra, que se pareciam muito com um alfabeto hebraico primitivo.

Ele teve que juntar letras já identificadas por outros especialistas e adicionar suas interpretações pessoais para realizar as traduções. Tais interpretações pessoais tornam a afirmação difícil de ser aceita por outros especialistas. Mas, a maior controvérsia de Petrovich e o ponto de maior discordância entre os cientistas especializados na área é que ele usa a Bíblia como fonte.

Independente disso, o arqueólogo conseguiu traduzir 16 escritos hebraicos que nunca haviam sido decifrados, após montar e utilizar esse alfabeto hebraico antigo. Segundo o arqueólogo, ele encontrou referências a Moisés e a outras figuras bíblicas. As hipóteses e provas foram reunidas em um livro escrito por Petrovich intitulado de “World’s Oldest Alphabet”, que traduzido significa “O alfabeto mais antigo do mundo”.

Ao invés de Petrovich reclamar dos céticos e especialistas que dizem que ele não está totalmente correto, o arqueólogo sugere que outros tentem provar ou contestar suas recentes descobertas com intuito de que, na tentativa, cheguem à conclusão que ele teve.

Phys Org

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s